sexta-feira, 27 de março de 2009

Dako é bom (mas não espalha)

-Mas qual foi que rolou com o figura?
-Saca só: ele me disse que nem é muito chegado em cu, mas que, se eu gostasse, era melhor comer logo.
-Mandou assim, com essas palavras?
-Foi.
-Mas qual o contexto?
-Não lembro o contexto exatamente, tinha tomado 3 ices já, sabe como fico facinha...
-Sei. Mas não lembra nem do momento que ele falou isso?
-Isso lembro, claro: eu só queria dar o cu, nada de choque de ordem...
-Tá, mas qual foi o momento?
-No caminho pro motel.
-Menos mal...
-Total, mas foi um banho de água fria. Afinal, tô saindo de casa com KY na bolsa há umas 2 semanas...
-Ai, que horror, Anita, me poupe dos detalhes sórdidos!
-E KY lá é sórdido?! Coitado do KY, só tá na bolsa querendo ajudar...
-Enfim, quando ele meteu essa de que era melhor comer logo, você respondeu o quê?
-Nada, fiquei pretérita.
-Ai, você também é muito noiada com esse lance de cu, sabia? Em vez de dar gostosinho pelas vias normais. Cu não é pra isso!
-O seu cu, né benzinho! O meu é outro papo, nem vem que não tem!
-Ok, mas você devia ir ao proctologista pelo menos uma vez por ano, do jeito que esse rabo aí é rodado...
-Se fosse pela quilometragem, eu devia ir todo mês, gata! Mas isso nem vem ao caso...
-Tá, continua: ele te levou pro motel ou não?
-Lógico, né? Naquela altura do campeonato, eu já tava subindo ladrilho de tamanco...
-Mas o que ele falou depois?
-Depois do quê?
-De você ficar passada.
-Ah, sim! Ele perguntou se tava tudo bem. Eu disse que até tava, mas que achava que ele fosse um cadinho mais animado no quesito backstage...
-E ele?
-Disse alguma coisa do tipo “a vida é cheia de surpresas”, já metendo a língua no meu pescoço. Deixei rolar, que a situação não tá pra isso, né?
-Não está mesmo. Mas e aí, foi bom?
-Ih! Já tá querendo saber demais. Não dá cu, mas quer os detalhes sórdidos, né? Sua enrustida dos infernos!
-Hummm, grossa!
-Hahahahahahaha!
-Vai me deixar na curiosidade?
-Ué, você não acha nojento? Quer saber se foi bom por quê?
-Quem disse que tô interessada no backstage? Quero saber se o bofe se garante na boca de cena!
-Ahhhhhhhhh...
-Se garante ou não se garante?
-Deixa eu comer ele de novo que te conto os detalhes.
-Eu, hein, mas por quê?
-Simpatia! Aprendi com uma amiga do curso de pompouarismo.
-O quê?
-Eu te disse que ia me matricular, não sei por que o espanto...
-Cara, tu tá muito desesperada...
-Tem certeza? Minha bucetinha, por exemplo, não concorda com você.
-Hummm, mas que boca, hein? Por isso que você não arruma namorado! Cruzes!
-Se o castigo pra toda desbocada que dá cu fosse ser solteira, ia ter um monte de gente se divorciando por aí.
- Tá certo, cada um sabe de si, fazer o quê...

Despediram-se e Anita respirou aliviada por ter conseguido fugir do assunto com o papo da simpatia que a amiga do curso de pompouarismo tinha ensinado.

Simpatia que nada.

Por experiência própria, descobriu que esse negócio de fazer alarde era o que estava deixando os meninos sem referência de como se comportar diante de uma mulher de verdade.

Pra que comentar que estreou o tubo de KY?

Vai que a amiga resolve estrear o cuzinho justo com o bofe que você divulgou?

Na dúvida, é sempre bom duvidar que a propaganda seja mesmo a alma do negócio.

Ela é, na verdade, a semente da discórdia disfarçada de alma.

7 comentários:

Rodrigo disse...

Quando o assunto é sexo a propaganda é inversamente proporcional à de outros aspectos da vida. É estranho, realmente, mas...

Leandro Ravaglia disse...

HAHAHAHAHA

Subir ladrilho de tamaco é foda.

renata disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

amor de cú qd bate é foda, papo sério, nesses casos nao divulgem!!!
princiPALmente para os amigos bofes, o risco é muito maior...
to até de anonima nesse comentário, a prevenção que é a alma do negócio...kkkk

M. disse...

o seguro morreu de velho.

se a gente nao se protege.


opa!


rs


beijodagaroa

gigi disse...

é bem por aí!

Marton Olympio disse...

concordo.
É bem por ai.
Mas tem que saber fazer.
Pq o que tem de homem "estraga backstage" nem te conto.
Aí, é um retrabalho tremendo, uma dificuldade, mas como diria o ditado indiano: não sabendo que era impossivel, foi lá e fez (no caso comeu).

:)

http://martonolympio.blogspot.com