quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Coalhada diferente (por Albano Paulo de Paiva) in memorian




Poliana, com seis aninhos, come o que der e vier
Por isso, a mamãe, com carinhos, consegue dela o que quer
Sua refeição primeira é um bom prato de coalhada
Que ela come, prazenteira, pois nunca reclama de nada

Mas um dia - coisa rara- a mamãe ficou surpresa
Poliana rejeitara a coalhada sobre a mesa
-O que há com você, mudando assim de repente?
Só pode ser uma coisa: com certeza está doente!

-Não, mamãe não tenho nada, estou pra lá de contente
Quero mesmo  é uma coalhada que seja feita de gente!
A mãe depressa retruca: filhinha, não goze de mim
Isso é uma coisa maluca, nunca vi coalhada assim!
-Mamãe, também achei graça, mas o titio não mente
Ele disse que a praça tava coalhada de gente.

Um comentário:

GL disse...

Albano Paulo de Paiva d'A Imperial?