domingo, 15 de junho de 2008

Fora da área de cobertura

-Amiga, tá podendo falar?
-Tô aqui vendo um filme na TV, mas diga lá!
-Olha a situação: tava aqui no Mineiro com Clarinha, tomando umas, daí chega Alexandre naquele esquema “não é porque a gente não namora mais que eu não posso ser seu amigo nem ficar me lamentando com suas amigas, como bom coitadinho que sou”, sabe assim?
-Ui, sei.
-Pois então, sentou na nossa mesa e não vai embora nem fudendo, tanto que foi até pegar um casaco no carro.
-Vixe, quem pega casaco no carro quer ficar até de manhã...
-Então, só preciso de um telefonema seu urgente daqui a 5 minutos, do tipo “se você não vier agora me ver, eu me mato”!
-Pode deixar, mas porra, toda vez que você vai ao Mineiro o mala do Alexandre aparece! Não sei por que insiste em ir praí! Na boa, parece até que tá querendo encontrar com o cara!
-Bonita, isso não vem ao caso agora, ok? Me liga, que depois de escapar dele, a gente compra umas latinhas e vai pra sua casa, pode ser?
-Lógico!

Em 10 minutos, Clarinha, na maciota, começa a encenação:

-Acho que seu celular tá vibrando, Anita.
-Ih é! Gente, nem percebi.
-Não atende não! Que saco, deve ser esse povo do seu trabalho!
-Deixa eu ver. Ih, é a Fê.
-Então atende, né? Posso pedir mais uma?

Em uníssono, Anita (já com o aparelho no ouvido) e Alexandre, concordam:

-Pede!

Clarinha só levanta o dedo indicador, num gesto universal indicativo de que a cerveja precisa ser reposta na mesa.

Nisso, Fernanda, que teve de deixar seu filmezinho lavagem cerebral de lado pra participar do joguinho da amiga, cumpre com o combinado de tirá-la daquela situação. Sem, é claro, perder a chance de dar aquela sacaneada básica:

-E aí, Anita, tô ligando na hora combinada, viu?
-Oi, Fêzinha, que que mandas, amiga?
-Você sabe o que eu mando, vaca! Faz cara de sofredora agora, pra ver se convence alguém!
-Jura? Mas quando foi isso?
-Quando foi o que, sua falsa? Se vira, inventa uma história decente!
-Não, querida, não chora, que ele não vale isso tudo.
-Gente, você é uma atrizinha de quinta, hein, vou te falar!
-Ai, amiga, se você quiser que eu vá praí agora, eu vou!
-Vem, e vê se traz uma vodca decente dessa vez!
-Não, não vai atrapalhar nada, tô tomando uma aqui com a Clarinha. O Alexandre até apareceu, acredita?
-Que coincidência né, menina? Manda um beijo presse péla-saco!
-Não, querida, eles vão entender, fica tranqüila! Em meia hora tô aí, é só o tempo de fechar a conta e deixar Clarinha em casa, tá bem? Ou você quer que ela vá também?

Logo depois, desliga e, com o semblante compassivo, dá sua grande fala:

-Fernanda mandou um beijo pra vocês. Gente, desculpa, mas preciso ir, ela acabou de terminar com o namorado, tá péssima. Vou comprar uma vodka e dar uma assistência até ela vomitar e capotar, saca?

Clarinha, em busca do Oscar de coadjuvante, completa:

-Será que ela quer me ver também?
-Não amiga, infelizmente, essa eu que vou ter que segurar sozinha...
-Força, então, vai dar tudo certo!
-Quer uma carona?
-Quero.

Alexandre, num misto de entendimento e perplexidade, leva as moças até o carro. Como candidato à vaga de péla-saco do século, dá sua cartada final:

-Se você quiser, Anita, eu posso levar Clarinha em casa, pra você chegar logo na Fê. Nessas horas, quanto mais rápido se age, melhor, né? Vai que ela faz alguma besteira...

-Precisa não, querido, mas obrigada pela força, viu?

Alexandre voltou pro bar, provavelmente à caça de alguma ex-namorada pra impregnar antes de ir pra casa assistir ao Fantástico e bater uma punhetinha pensando em Anita.

Já as meninas, foram encontrar com a Fê, pra beber mais, falar mal dos homens e tentar entender porque moças como elas não gostam de rapazes como Alexandre, sempre dispostos a dar carona, a pegar casacos no carro e a pagar a conta.

Para moços assim, estavam sempre fora da área de cobertura.

Ou desligadas.

13 comentários:

Rodrigo Carreiro disse...

Não é porque sou homem que vou defedender esse cara não. Chato do caralho! heheeh

Juju disse...

ahhahahahahahahha
a velha e boa desculpa..
pô Poli, agora voce deu a dica da desculpa universal das mulheres...assim está gabaritando os pélas...beijos

Flavia disse...

hahaha

Fábio Ricardo disse...

mulheres... víboras sempre! com razão, mas sempre :P

Maurício disse...

ahahahaha...Vou ficar ligado no papo do celular...kkkkkkk....e na saída vou é pedir uma carona...mas isso tbm é mala, né? auahauaha....Beijos

Paulo Bono disse...

por isso que sempre achei idiotice adular mulheres.

abração, flor de laranja

Tônio disse...

Você é ótima! Te achei nos comentários do blog "Espalitando Dente". Gosto da leveza e sapequice que escreve teus texto/diálogos. Bom ter te encontrado. Homem pela saco não dá mesmo, concordei. Tônio

sateliteproprio disse...

admirável capacidade de narrar fatos e registrar comportamentos dos dias de hoje!

P.R. disse...

ex namorado grudando não!!!!

Srta. Rosa disse...

Blé, eu sei que é só um carinhozinho no ego. Não precisa pôr selo fofo aqui não, mas espia:

http://senhoritarosa.wordpress.com/selos/

Bezzos, queridona!

4rthur disse...

se fosse na Bahia o as moças estariam procurando rede...

tá, essa é péssima, eu sei... bjs.

Rackel disse...

Huahahuauauuhahua

Eu quase morro de rir sempre q passo por aqui! mas fico no 'quase' q é pra pdoer ler o prox post!
rs

Tchellonious disse...

Mais uma vez, totalmente fílmico, como não poderia deixar de ser.

O cara pegou o casaco (talvez capote soasse melhor...rs)no carro porque não tem mais o cobertor de orelha.

Beijos!