sexta-feira, 15 de maio de 2009

Dicas práticas para detectar punheteiros online

Leitores do meu Brasil varonil,
Venho por meio desta falar sobre um grande mal que nos assola: os punheteiros online. Digo isso não somente por fazer parte da legião cada vez mais representativa de moças e moços que não vêm nada de mais em conhecer alguém via orkut, blogspot, msn, gtalk, twitter, myspace, facebook e internetismos outros. Realmente não há nada de mais: é só uma maneira que a pós-modernidade nos apresenta de abrir novas janelas rumo ao desconhecido. E, cá pra nós, encontrar um sujeito na Lapa ou no Baixo Gávea pode ser tão ou mais arriscado, não é mesmo?

Entro numas de levantar essa bandeira por conta de inúmeras roubadas por mim vividas e a mim narradas, já que o fato de ser blogueira acaba me tornando de certa forma porta-voz de amigos e amigas que se identificam com a cartografia que faço desta nossa geração perdida.

Antes que se inicie uma tristeza acachapante, aviso que conheço alguns casos de amor internéticos de sucesso. Sim, eles existem! E acredito que, exatamente por conta disso, resida nas mentes de moços e moças (mais nas das moças, sejamos sinceros) um fio de esperança. Afinal, a cara-metade pode estar ali, logo atrás do monitor, onde sempre esteve. E, para conhecê-la (escrevo hoje para as meninas, perdoem-me, rapazes...), você nem precisou se depilar, fazer escova possessiva, lançar seu perfume francês e nem aquela plataforma que deixa seu dedo mindinho dormente logo nos primeiros quarenta minutos de uso. Muito pelo contrário: você pode estar com a cara cheia de hipoglós, bigoduda como a Frida ou naturista como a Ohana dos anos 80. Portanto, na vida, assim como na internet, vale a máxima de que, em se tratando de casos de amor, a única coisa imprescindível é o encontro.

Assim, sem querer desanimar ninguém, meu alerta vai pras românticas de plantão que pensam que, por conta do status de “solteiro” dos rapazes, o orkut está lotado de interessados em encontrar alguém disponível. Vai também pras vagabas de família, que chegam meio bêbadas em casa e vão logo ligando o computador atrás de emoções que não encontraram na rua. E, por que não dizer, pra todo mundo que acredita que ser feliz é melhor do que ter razão.

O importante, nessas horas, é, em prol da felicidade, saber discernir o que vale e o que não vale a pena, separar o joio do trigo. É parar pra pensar que na internet tem de tudo um pouco, o que nos obriga a analisar os sinais com certa dose de frieza, pois, acreditar que um punheteiro online vai virar seu namorado (ou mesmo seu personal fucker) é quase como achar que “na tela da tv no meio desse povo, a gente vai se ver na Globo...”

Vejam bem: não faço aqui uma contra-apologia à punheta. Imagina, pegaria até mal, com todo meu passado de glórias. Punheta é coisa importante. Exige técnica, destreza, sensibilidade e coordenação motora. Quem nunca ficou apertando aquelas bolinhas de borracha no escritório, fingindo estar evitando uma LER, mas, no fundo, querendo melhorar as habilidades manuais que passam longe dos dotes culinários e do corte e costura? Normal. Toda mulher tem um quê de gueixa e isso nunca fez mal à humanidade.

Portanto, não ligue se algum dia você deu trela prum punheteiro online e também não dê ouvidos às amigas que insistem em lhe dizer que “sabiam que isso não daria certo porque internet é coisa de nerd que não come ninguém”. Nessas horas, diga a elas para atirarem a primeira pedra se nunca acreditaram em um sedutor! Caso insistam em afirmar que seus tetos são de vidro, deixe-as pra lá: mulher que dá certo demais geralmente é frígida, já alertava minha tia-avó Neuza.

Disse tudo isso não só para facilitar o discernimento e estimular o livre-arbítrio, mas, também, para (finalmente) lançar, em caráter oficial, algumas dicas práticas para detectar um punheteiro online:

Capítulo primeiro: da distância entre os contatos

-Quanto tempo ele demorou pra te retornar?
-Uns vinte dias.
-Nossa! Ele é sempre assim?
-Sempre.
-Que coisa...
-Pois é, menina.
-E você nunca perguntou o que se passa?
-Ontem perguntei.
-E ele?
-Disse que anda ocupado demais com o trabalho, que as reuniões varam madrugada e que, quando ele vê, queria ter me ligado, mas acabou não conseguindo, sabe assim?
-Sei...
-Daí ontem foi mega fofo, disse que não parou de pensar em mim esses dias todos, que sempre esteve interessado, que eu sou o tipo de mulher que ele adora, que isso é muito claro pra ele, essas coisas...
-É, vamos aguardar as cenas do próximo capítulo...

Dica prática: se entre um contato e outro o intervalo de dias é sempre grande, e, se o assunto comumente gira em torno da falta de tempo e do profundo interesse em você, ligue imediatamente seu detector para punheteiros online: o moço pode estar achando que você é arroz de geladeira, que precisa de banho-maria pra ficar requentado.


Capítulo segundo: do sexo por telefone

-Menina, foi demais.
-É?
-Umidade máxima.
-U-A-U.
-E o mais legal é que nosso papo sempre começa super cabeça: falamos dos nossos sonhos, das nossas neuras...
-E termina com bagaceirices?
-Isso!
-Interessante...
-Super!
-...
-Fala!
-O quê?
-O que você tá pensando, porra!
-Eu acho estranha essa história, parece que vocês andam em círculos, sabe assim?
-Não, não sei. Explica!
-Vocês são íntimos e não são.
-...
-O cara fala as maiores bagaceirices do mundo pelo telefone e vocês nunca se viram.
-Mas nós vamos nos ver.
-Quando?
-Sei lá.
-Acho assim: isso rolar por umas semanas ou por um, dois meses, tudo bem. Mas daí o cara virar o seu sexy fone é que eu acho pesado!
-Você acha que eu devo mandar ele passear?
-Acho que ele pode passear, sim, mas do teu lado, que tal? Daí vocês aproveitam e se conhecem cara-a-cara!
-Hahahahahahahahahaha.

Dica prática: se está há muito tempo vivendo um pseudo-relacionamento por telefone, tente estimular a passagem para o próximo nível, da intimidade verdadeira. Vai que vocês ficam muito tempo nessa e o moço tem mau-hálito ou pau fino?

Capítulo terceiro: do orkut

-Cara, o orkut dele não é careta!
-Como assim?
-A cada dez scraps, doze são de mulheres!
-Todas apaixonadas?
-Tipo ode a Manoel Carlos!
-Hahahahahahahahaha.
-Sem sacanagem, mulherada cita Goethe, Lope de Vega, Baudelaire...
-Noooooosssaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!
-Tem as que metem um Chico Buarque e um Rubem Fonseca, pra se fazerem de básicas, sabe assim?
-Sei, distraídas...
-Isso!
-E você?
-E eu o quê?
-Ué, que tipo de scrap você manda pro galanteador?
-Eu não mando scrap, eu vou de testemonial...
-Vaca!
-De divinas tetas...

Dica prática: se o moço recebe scraps apaixonados de trezentas mulheres por minuto e não está efetivamente com nenhuma delas, ou não quer nada com ninguém, ou quer, mas está inseguro, ou, ainda, não quer, mas precisa achar que quer. Para qualquer uma dessas hipóteses, surge a pergunta: vai encarar? Se a resposta for positiva, a dica é uma só: valeriana e meditação, pelo menos três vezes ao dia.

Por hoje é só, meninas.

Espero, de coração, ter ajudado.

Queria apenas ressaltar que, caso esteja passando por alguma dessas situações, não desacredite na humanidade. As coisas estão difíceis pra todo mundo e a internet, como grande simulacro que é, não poderia estar em situação diferente.

Sugiro, por fim, o filme “Denise está chamando”, disponível nas locadoras mais alternativas, tipo Estação, Macedônia ou Cavídeo. É uma história sensível, que aborda lindamente a questão das proximidades e distanciamentos.

Agora, por favor, depois de pegar o filme, não vá ao mercado comprar doritos, porque isso não leva ninguém a lugar nenhum! Compre batatas, cozinhe e recheie com requeijão.

Ótima opção, enquanto o requeijão de verdade não vem...

11 comentários:

Fábio Ricardo disse...

Eu concordo que esse papo de "nerd de internet que nao come ngm" é comum...

mas nao generalizem. sempre tem uns nerds de internet que comem o que os outros deixam passar.

renata disse...

hahaha, tia avó neuza arrasou...sempre dá certo é coisa de frígida..rs..ohana nas alturas, kalo nos pés...namoro de internet sempre é punheta..
aff, e ser boa a foda é papo de loteira...
boas dicas gata... sexo virtual tátil é punheta,..vixe...cansei, bora dançar no tet-a-tet? tiro ao alvo...rs

gigi disse...

hmm... o mundo não tem mais salvação.

marina disse...

obrigada meu Brasil que vc existe, gata!
o lance da explanaçao e espionagem no orkut é foda. deus me livre e guarde. OOOOOMMMMMMMMMM

pablo disse...

Voto pela campanha "Oculte o seu Orkut e libere o miseré" ou também pela relacionada mas não idêntica "Toque uma punheta pra quem você ama" (com duplo sentido).

Se nada der certo vamos ter que radicalizar e aprovar o "Deixa eu tocar uma punheta no seu orkut?" (também conhecida por "posso tuitá seu feissebuque?")

Haroldo Mourão disse...

"Distraídas" é ótimo. Haha.

Leandro Ravaglia disse...

Não me considero um punheteiro online. Tenho andado offline todos esses dias. rsrs

Eugenia disse...

adorei o texto, Poliana!
chegue através do blog da querida amiga Graciana.
muito bem-escrito e engraçado - e verdadeiro!
beijos, eugênia.

Leandro Ravaglia disse...

me explica o lance do site aí depois, fia. Ó: leandroravaglia@hotmail.com

Graciana disse...

Eu, tradicional, só toco punheta ao vivo! Esse negócio de internet é muito moderno.

Anônimo disse...

QUERIA SABER SE ALGUEM AQUI JÁ TIROU UMA BRONHA DE "CONSPIRAÇAO TEQUILA", POR FAVOR