sexta-feira, 5 de junho de 2009

E se...

-E se pudesse?
-Ah, se pudesse, se pudesse...
-E se pudesse?
-O lance é que não pode e acabou! De que adianta ficar conjecturando agora?
-Sim, eu tô ligada que não pode! Nunca! Jamais! Em tempo algum! Já saquei!
-Ah, bom, já ia meter um ‘tá difícil de entender, né, filha?’
-Hahahahahahahahahahahaha.
-Tô aqui falando uma coisa simples e você só no ‘Mas e se pudesse?’ ‘Mas e se você voltasse atrás?’ Jesus, afasta de ti essa neurose, que ela não te pertence!
-Hahahahahahahahahahahaha.
-Você ri, é?
-Que hilário...

Ainda enxugando as lágrimas depois de tanta risada, não se dá por satisfeita e resolve escrotizar:

-Mas tu sabe que neurose é repetição, né?
-Ihhhhhhh, começou...
-Não comecei nada, tô falando sério!
-Você leu isso onde? Na Marie Claire?
-Marie Claire de cu é rola!
-Eu vi na tua sala um monte de Marie Claire, nem tenta disfarçar.
-Claro, eu trabalho em casa, recebo cliente o dia inteiro, a maioria mulher. Queria que eu tivesse o que na sala? Playboy é que não dá, né?
-Suas clientes são tudo tomadora de sopa sem colher mesmo! Playboy no caso faria bem mais sucesso!
-Nossa, tudo isso pra desviar dum assunto...
-Ridícula!
-Tô falando, cara, pra você vir me zoar com papo de Marie Claire é porque tá querendo muito sair pela tangente.
-Bonita, eu não vou voltar atrás, o que está feito, está feito.
-Tá, você quem sabe...
-Exatamente! Eu que sei, é a minha vida, helloooo!
-É sua vida agora. Daqui a duas semanas é meu fígado!
-Quê?
-Mas num é?
-Que mané teu fígado?
-Eu tô dizendo que hoje você está resoluta a não voltar atrás, tipo Scarlett O’Hara pegando terra do jardim e prometendo nunca mais passar fome na vida, mas, daqui a duas semanas, já deu tempo de você ficar arrependidinha e de se perguntar a cada dois minutos se não devia ter ouvido a voz do coração e blábláblá...
-Tá, mas e o fígado?????
-Porra! Depois eu que tô difícil de entender, né, filha? Caralho! Esqueceu que a cada crise de consciência sua entorna-se pelo menos uma garrafa de uísque?
-Ah tá...
-E quem você sempre chama pressa empreitada?
-Té parece que não gosta!
-Você sabe do que eu tô falando, vai!
-Sei, claro, mas não posso voltar atrás.
-Por quê não?
-Porque não!
-Eu acho uma pena...
-Tirando o uísque e o fígado, o que você tem com isso?
-Racionalmente, nada, porque você é você e eu sou eu!
-Então...
-Aí é que tá! Eu separo a porra do joio da porra do trigo! Eu não penso que a vida é uma novela do Gilberto Braga, que dá pra fazer uma horinha de puta numa nice enquanto não pinta um Olavo pra me tirar da pista....
-Hahahahahahahahah! Bebel!
-Isso!
-Cueca maneira...
-Pois é! Se liga: Olavos não existem!
-Mas o Olavo era mó cafajeste!
-Pra você ver como são as coisas...
-Eu não penso que a vida é novela!
-Sei...
-Agora, se um Olavo daquele um dia se oferecesse pra me tirar da pista, eu caía dentro fácil!
-Mas você sabe que Olavos não existem, né?

O papo continuou furado e a Scarlett O’Hara pós-moderna não quis voltar atrás: bateu o pé e foi firme em suas convicções de gaveta.

É claro que duas semanas depois, como já tinha vaticinado a amiga entendida de neurose, estavam no uísque, tentando afogar as mágoas.

Como se isso fosse realmente possível.

Precisava alguém dizer pras duas que depois dos trinta e poucos anos, nossas mágoas, secretamente, resolvem aprender a nadar.

5 comentários:

Fábio Ricardo disse...

não é só depois dos 30 não, devo avisar. uma garrafa de uisque a cada duas semanas é o mais comum e recomendado, sem dúvidas.

Graciana disse...

Poucas coisas me deixam tão feliz quanto goladas generosas de um bom uisque ou rum.

Leandro Ravaglia disse...

O problema de beber na fossa é chorar. Bêbado chorão é um saco!

M. disse...

nadam no uiques, e quando não nadam. usam boias.

Mas enfim... tudo pode piorar, tipo..beber e fazer merda, mas faz parte... sempre.

ou não.

Daniela disse...

Adorei: "fazer horinha de puta na nice". Genial