segunda-feira, 10 de março de 2008

O medo de amar

-E aí, cara, beleza?
-Beleza.
-Como é que tá essa força?
-Tudo tranqüilo e você?
-Também, tranqüilão.
-Legal, e a Laurinha, tá bem?
-Tá, sim, cada dia mais linda.
-Pô, tô com a maior saudade dela, vamos marcar de vocês irem lá em casa dia desses.
-Claro, vamos sim!
-E com a mãe dela, tá tudo certo?
-Tá sim, ontem mesmo dormi lá.
-Ah é?
-No sofá, cara!
-Tá certo, viva a pós-modernidade! Mas, vem cá, e a tal menina que você conheceu, como andam as coisas?
-Indo.
-É?
-Sim.
-Vocês têm se falado?
-Mais ou menos
-Existe isso? Se falar mais ou menos?
-Na verdade a gente não se fala desde o carnaval.
-Por quê?
-Eu liguei pra ela e ficamos de nos encontrar, mas não rolou...
-Por que não rolou? Vocês se desencontraram nos blocos?
-Não.
-Então o que foi?
-Eu fiquei de ligar de novo pra marcar aonde iríamos nos encontrar e não liguei.
-Pô, cara, mas do que você tem medo?
-Porra, mas que saco! Essa é a mesma pergunta que ela vive me fazendo!
-E você responde o que a ela?
-Eu nunca consegui responder.
-Mas pelo menos você sabe do que tem medo?
-Tenho medo de me fuder de novo, eu tenho uma filha, não sou um cara livre e desimpedido.
-Sim, mas ela sabe da Laurinha, né?
-Sabe e acha ótimo.
-Caralho, meu irmão, então qual é a porra do problema?
-É esse poder que eu sei que ela pode vir a exercer sobre mim, não sei se agüento esse tranco agora!
-Mas você não acha que ela tem o direito de saber disso?
-Não, porque daí fico fragilizado diante dela.
-Então, prefere simplesmente sumir, como um moleque?
-Eu não sou moleque, porra, eu tô confuso, assustado, sou um monstro por isso?
-Claro que não! Nem foi isso que eu quis dizer, desculpe!
-Eu simplesmente não consigo pegar o telefone e ligar pra ela. Ainda mais agora, depois de tanto tempo, capaz dela nem querer me atender...
-Se ela não quiser te atender, pronto, você vai saber que não tá rolando mais. Simples assim!
-Nem é tão simples como você fala...
-Cara, eu não te vejo tão inquieto há um bom tempo. Isso pode significar que essa moça toca você de alguma forma, né?
-Porra, só de ouvir a voz dela eu fico de pau duro!
-Então, bicho, vai deixar barato assim? Tá dando mole pro azar, meu camarada! Mulher maneira tem muita, mas mulher maneira que te deixa de pau duro só com a voz é mais raro, fala aí!
-Ô!
-Escuta teu cumpadre aqui, pega essa porra desse telefone e liga pra ela. Fala que você tá confuso, que tá com medo de se entregar. Mulher adora ouvir essas coisas, fica sensibilizada, promete até ser mais cuidadosa!
-Tá, mas e se eu me fuder de novo? Você vai bancar o uísque da dor de corno?
-Banco, sim, Black Label, ok?
-Tá bem, vou pensar com carinho nessa situação.
-Mas pensa rápido, senão outro gavião tem a mesma idéia antes de você. Aí, babou...

Depois da conversa, cada amigo foi pro seu lado, a refletir sobre as vicissitudes do coração. Não se sabe ao certo se o moço vai ligar pra moça que deixa ele de pau duro só com a voz.

Porque em terrenos como esse, toda a areia é movediça, e toda sintonia, delicada.
Certo mesmo, só o medo de amar.

2 comentários:

floratomo... disse...

caralhooo, poli...
será sempre assim???

Rackel disse...

já add esse aqui tb!
bjs