segunda-feira, 10 de março de 2008

Poesia para cegas

-Você viu o cara que botou a mulher na justiça porque ela quebrou o pau dele?
-Como assim? Pau não tem osso...
-Não tem, mas, ainda assim, pode dar uma espécie de destroncada...
-Ah tá! Pior é que pode mesmo...
-Chato, né?
-Super! Mas e aí? O cara ganhou?
-Nada, o juiz disse que ele sabia a situação na qual estava se metendo!
-Literalmente, né!
-Pois é, mas sabe que essa história me fez refletir a respeito do assunto?
-De fato, é uma bela temática.
-Fiquei pensando sobre as coisas que são ditas pelos homens quando eles estão de pau duro...
-Tipo o quê?
-Ah, coisas que nos fazem sentir espetaculares e únicas...
-Mas nós somos espetaculares e únicas, alguém duvida disso?
-A questão não é essa.
-Qual é então?
-Ah, fico às vezes achando que precisamos de um homem para validar nosso apreço por nós mesmas.
-Pára de show, vai! Você deve estar numa TPM violenta...
-Pior é que devo menstruar amanhã ou depois...
-Viu? Quase tudo na vida são os hormônios.
-Tá, mas e se tirarmos os hormônios? Não sobra nenhum sentimento?
-Querida, deixa esse papo de sentimento pra discutir com o seu terapeuta! Eu não tenho cacife pra isso!
-Se duvidar, nem ele tem!
-A questão é: independente do que aconteça entre quatro paredes, temos que estar cientes de que, nessas circunstâncias, o que se diz nem sempre é o que se diz e o que se ouve nem sempre são só palavras...
-Interessante isso...
-A cama nada mais é do que um território com múltiplos significados.
-Poxa, vou dormir pensando nisso!
-Faz isso não! Dorme pensando no Gianechinni, que é mais jogo!

Até tentou pensar no gostoso do Gianechinni antes de dormir, mas não deu. O buraco, definitivamente, era mais embaixo. Mais fundo que os hormônios. Mais perto, portanto, dos sentimentos e das emoções. Queria era descobrir os meandros do misterioso processo que começa na cama e termina nas profundezas de cada um de nós. Estava era tentando enxergar no escuro. Mesmo sabendo que, molhada, toda mulher é uma cega.

E de pau duro, todo homem, um poeta.

Um comentário:

floratomo... disse...

hahahahahaahahhahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahah.... amei!